Anúncios

“RIO DE JANEIRO A ROTA DO MEDO “

Pessoal quando eu escrevi meu trabalho de conclusão do meu MBA em Gestão Empresarial, em 2013 com o seguinte título: A importância do Transporte Rodoviário de Cargas para a economia brasileira, realizei uma pesquisa sobre o roubo de cargas no Brasil e consegui os seguintes dados De acordo com uma pesquisa divulgada pela a CNT o Brasil registrou em 2010,12. 850 roubos de cargas em rodovias gerando um prejuízo de R$ 900 milhões revelando ainda que a região sudeste do país lidera, maioria dos casos com; 79,94%, seguida por região, sul com (8,68%), nordeste (7,21%), centro-oeste (2,19%) e norte (2,03%), ainda segundo a pesquisa, os produtos mais visados, são com alto valor agregado, como eletrodoméstico e componentes, de informática. Também estão no top da lista estão cigarros, alimentos e produtos farmacêuticos.Agora segundo uma nova pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT),o  roubo de cargas no brasil O total de ocorrências de roubos de cargas no Brasil cresceu 10% em 2015, na comparação com 2014, segundo levantamento da NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística). Foram 19.250 registros, ante 17.500 do ano anterior. O número de casos e o prejuízo contabilizado pelos transportadores foram recordes. O dano, somente com as mercadorias perdidas, soma R$ 1,12 bilhão. O Sudeste do país concentra 85,7% dos casos. O prejuízo estimado, na região, passa dos R$ 775 milhões. O estado de São Paulo é que lidera a lista, contabilizando 44,1% das ocorrências. Em seguida, vem Rio de Janeiro, que respondeu por 37,5% dos ataques criminosos.
Entre os produtos mais visados estão alimentícios, cigarros, eletroeletrônicos, farmacêuticos, químicos, têxteis e confecções, autopeças e combustíveis.

O levantamento indica, ainda, queda no roubo de metalúrgicos e aumento no de bebidas, especialmente no Rio de Janeiro.Já de acordo com uma reportagem publicada pelo o jornal o Globo no dia 16/03/2017.O roubo de cargas causou um prejuízo de mais de R$ 6,1 bilhões em todo o Brasil, de 2011 a 2016, valor 5,1 vezes maior do que o investimento anunciado pelo Governo Federal em dezembro de 2016 para modernização e ampliação do sistema penitenciário brasileiro. Foram 97.786 ocorrências desse tipo no país neste período, segundo os dados de um estudo sobre o impacto econômico do roubo de cargas no Brasil, divulgado pelo Sistema Firjan nesta quinta-feira. Um roubo de caminhão acontece a cada 23 minutos em todo o território nacional. E já na reportagem do dia 13/082017 o mesmo jornal publicou outra vez mostrando que nas estatísticas galopantes dos roubos de cargas, o Rio sofre 28 ataques deste tipo todos os dias. A maioria na Avenida Brasil, perto dos complexos da Pedreira e do Chapadão, onde os ataques são constantes. Empresas como a Ziranlog, G.Silva, Carvalhão  e TNT Mercúrio e tantas outras aqui não mencionadas ficam   quase todas na mesma região.Sendo hoje sem dúvida o Rio de Janeiro a rota do medo para muitos transportadores , seguradoras de cargas , e motoristas ajudantes  que precisam entregar as cargas, sem contar nos seus familiares que ficam preocupados com a segurança dos mesmos.

Já no estado de São paulo conforme uma publicação do jornal Folha de São Paulo.Diante da explosão dos casos de roubo de cargas no Estado de São Paulo, responsável por quase 60% das ocorrências no país, indústrias e empresas de transporte têm investido cada vez mais em tecnologia, apontada como a principal arma para combater esse tipo de crime.

“A escolta armada é hoje uma exceção. O melhor para o setor é investir cada vez mais em tecnologia. Fizemos isso, e os roubos em nossas cargas diminuíram 40%”, disse Antônio Marin, coronel aposentado da PM que atua como gerente nacional de risco da BrasPress, uma das principais transportadoras do país.

A empresa, segundo ele, investiu nos últimos dois anos cerca de R$ 50 milhões em logística de segurança e equipamentos, como as iscas eletrônicas -chips embutidos nos produtos, que passam a ser monitorados da mesma forma que os caminhões.Durante o trajeto, monitorado por satélite, o motorista também precisa adotar uma série de medidas, como paradas em locais previamente combinados. Toda e qualquer alteração na rota deve ser comunicada à central de riscos.

“A tecnologia é hoje uma condição muito importante de segurança. Sem ela, não é possível sobreviver”, corrobora Sérgio Casagrande, vice-presidente do Grupo Apisul, gerenciadora de riscos e corretora de seguros de transportadoras de cargas.Dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública do governo Geraldo Alckmin (PSDB) mostram que, na cidade de São Paulo, os roubos de carga subiram quase 20% na comparação entre abril deste ano e abril de 2014. No Estado, a alta foi de 8%.No acumulado do ano (janeiro a abril), o aumento na capital foi de 18%, enquanto em todo o Estado chegou a 9%, em relação ao mesmo período do ano passado.

Fontes de pesquisa:

http://www.cnt.org.br/

http://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/o-impacto-economico-do-roubo-de-cargas-no-brasil.htm

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/05/1633662-roubo-de-carga-cresce-

https://oglobo.globo.com/rio/caminhoneiros-vivem-rotina-de-tensao-com-aumento-de-roubo-de-cargas-21701097

 13/08/2017

Anúncios

“Blog Logística na Veia”

Olá sou o Professor e palestrante Afonso Ivens, graduado em Logística Empresarial, MBA em Gestão Empresarial – Universidade do Grande Rio Docência do Ensino Superior FGV. Trabalhei no SENAI/SENAC RJ, ministrando, elaborando aulas de nos cursos de logística e Administração nos níveis técnico, cursos livres e aprendizagem. Mas ao longo da minha carreira profissional realizei, trabalhos na área de movimentação e transporte de cargas, manutenção preventivas e corretivas de maquinas pesadas e participado de grandes projetos nacionais como reforma do alto forno 3 (CSN, Volta redonda RJ 2001) reforma do alto forno 2 Cosipa Cubatão SP (2002), e entre tantos outros aqui não mencionados.

Um comentário em ““RIO DE JANEIRO A ROTA DO MEDO “

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: